CONTATO
EXPEDIENTE
Genocídio de armênios

Turquia afirma que responderá a tempo à declaração “ultrajante” de genocídio dos EUA

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
Fonte: Por Reuters

A declaração do presidente americano Joe Biden de que os massacres de armênios no Império Otomano constituíram genocídio é “simplesmente ultrajante” e a Turquia responderá nos próximos meses, disse o porta-voz presidencial da Turquia no domingo.

Biden rompeu no sábado com décadas de comentários cuidadosamente calibrados da Casa Branca sobre os assassinatos de 1915, deliciando a Armênia e sua diáspora, mas estreitando ainda mais os laços entre Washington e Ancara, ambos membros da aliança militar da OTAN.

“Haverá uma reação de diferentes formas, tipos e graus nos próximos dias e meses”, disse à Reuters Ibrahim Kalin, porta-voz e conselheiro do presidente Tayyip Erdogan.

Kalin não especificou se Ancara restringirá o acesso dos EUA à base aérea de Incirlik no sul da Turquia, que tem sido usada para apoiar a coalizão internacional que luta contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque, entre medidas que pode tomar.

Depois que outras autoridades turcas condenaram rapidamente a declaração de Biden no sábado, Erdogan trataria do assunto após uma reunião de gabinete na segunda-feira, disse Kalin. “Em um momento e local que consideramos apropriados, continuaremos a responder a esta declaração infeliz e injusta”, disse ele.

A Turquia aceita que muitos armênios que viviam no Império Otomano foram mortos em confrontos com as forças otomanas na Primeira Guerra Mundial, mas nega que as mortes tenham sido sistematicamente orquestradas e constituam genocídio.

RELAÇÕES COM PROBLEMAS

Durante décadas, as medidas de reconhecimento do genocídio armênio empacaram no Congresso dos EUA e a maioria dos presidentes dos EUA se absteve de chamá-lo assim, impedido por preocupações sobre as relações tensas com a Turquia.

Mas essas relações já estão conturbadas. Washington impôs sanções à Turquia sobre a compra de defesas aéreas russas, enquanto Ancara se irritou com o fato de os Estados Unidos terem armado combatentes curdos do YPG na Síria e não extraditado um clérigo norte-americano que a Turquia acusa de orquestrar uma tentativa de golpe de 2016.

Navegar nessas disputas agora será ainda mais difícil, disse Kalin. “Tudo o que conduzirmos com os Estados Unidos estará sob o feitiço desta lamentável declaração”, disse ele.

Kalin disse que o parlamento da Turquia deve fazer uma declaração esta semana. Analistas dizem que os legisladores podem revidar retoricamente contra Biden, classificando o tratamento dispensado aos americanos nativos por colonos europeus como genocídio.

Além de limitar o acesso a Incirlik, a Turquia também tem opções para reduzir a coordenação militar com os Estados Unidos no norte da Síria e do Iraque ou reduzir os esforços diplomáticos para apoiar as negociações de paz no Afeganistão, disse Ozgur Unluhisarcikli, diretor do grupo de pesquisa German Marshall Fund em Ancara .

Na realidade, porém, as opções de Erdogan são limitadas, pois ele já está lutando contra uma das maiores taxas de casos diários COVID-19 em todo o mundo e viu a moeda lira cair perto de seus mínimos históricos em relação ao dólar na semana passada.

“Este é um período difícil para a Turquia e não é um momento em que a Turquia queira começar uma briga com ninguém, muito menos com os Estados Unidos”, disse Unluhisarcikli.

Kalin disse que autoridades americanas disseram à Turquia que a declaração não forneceria qualquer base legal para possíveis pedidos de indenização.

No entanto, Erdogan disse ao presidente dos Estados Unidos quando falaram por telefone na sexta-feira, sua primeira conversa desde que Biden assumiu o cargo há três meses, que seria um “erro colossal” prosseguir com sua declaração.

“Reduzir tudo isso a uma palavra e tentar implicar que os turcos estavam envolvidos, nossos ancestrais otomanos estavam envolvidos em atos genocidas, é simplesmente ultrajante”, disse Kalin.

“Não é suportado por fatos históricos”.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
LEIA TAMBÉM!!!