EXPEDIENTE
“Chico Bomba”, preso na semana passada, declarou R$ 5 milhões em três anos à Receita, valor que seria apenas uma pequena parte do que movimentou no período de três anos

Traficante da FAB movimentou milhões em imóveis de luxo e empresas

Fonte: Por Julinho Bittencourt da Revista Fórum

O empresário Marcos Daniel Penna Borja Rodrigues Gama, conhecido como “Chico Bomba”, preso pela Polícia Federal (PF) na segunda-feira (18), sob a acusação de chefiar o tráfico de cocaína para Europa usando aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), teria acumulado milhões com a atividade ilegal.

 

De acordo com informações da coluna Na Mira, dos jornalistas Mirelle Pinheiro e Carlos Carone, no Metrópoles, “Chico Bomba” teria movimentado ao menos R$ 5 milhões em três anos, conforme indicam comprovantes de rendimento apresentados por ele junto à Receita Federal.

 

O auge dos rendimentos do suspeito foi em 2019, mesmo ano em que o sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues foi preso, na Espanha, com 39kg de entorpecente.

 

A suspeita é que os valores declarados à Receita Federal sejam apenas uma pequena parte das cifras milionárias movimentadas por ele, tanto em Brasília quanto na Bahia, onde fez investimentos.

 

O empresário comprou um apartamento de luxo, na Asa Sul de Brasília, por R$ 2,3 milhões, valor pago em espécie. Os auditores fiscais identificaram que a compra do imóvel foi feita em nome da ex-companheira do empresário e que a mulher, no mesmo dia, doou o imóvel à filha do casal.

Marcos Daniel comprou ainda uma casa no Lago Sul, região nobre de Brasília, por R$ 1,6 milhão.

 

Do total, o suspeito pegou R$ 800 mil a título de empréstimo com o próprio pai.

 

O valor restante foi repassado em espécie.

 

O Fisco também concluiu que o empresário fraudou escritura pública da residência. Na certidão, ele afirma ter comprado o bem por R$ 800 mil, menos da metade do valor real.

 

Ele ainda comprou participações societárias em academias e uma construtora.

 

Marcos Daniel Gama foi preso pela Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira (18) sob a acusação de chefiar o tráfico de cocaína para Europa usando aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), como no episódio da apreensão de 39 kg de pasta base de cocaína por autoridades espanholas no aeroporto de Sevilha, em 2019, que estavam na aeronave da comitiva presidencial de Jair Bolsonaro.

 

O mandado de prisão de Chico Bomba, expedido pela Justiça Militar após o investigado ser acusado de ameaçar testemunhas do inquérito, foi cumprido durante a realização da operação Quinta Coluna.

 

A detenção do suposto traficante deu-se em sua residência, uma mansão no Lago Sul, uma das áreas mais caras e luxuosas da capital federal.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!