Sessão com Paulo Guedes sobre reforma da Previdência tem bate-boca entre deputados

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Por George Marques da Revista Fórum*

Antes mesmo do início da sessão sobre reforma da Previdência, nesta quarta-feira (3), o clima já era quente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara entre parlamentares do governo e oposição. A deputada Maria do Rosário (PT-RS) pediu direito à tréplica após as respostas do ministro da Economia, Paulo Guedes. O petista Paulo Teixeira (SP) disse que apresentou requerimento para que Guedes explique sobre a declaração de seu imposto de renda, pergunta vetada por deputados da base do governo sob a alegação de que ela foge do tema.

Guedes iniciou sua fala na sessão com o pedido para que os parlamentares deixassem as paixões de lado porque a dimensão fiscal do País é “incontornável”. “Quem vai votar isso são os senhores, eu sou meramente um equacionador, que se debruçou sobre nove sistemas previdenciários e buscamos o mais interessante”, disse.

Em um momento de sua fala o ministro da Economia defendeu que os cortes são necessários “seja onde for”. Enquanto defendia a economia de R$ 1 trilhão com a reforma para que seja possível lançar do sistema de capitalização, Guedes foi interrompido por parlamentares da oposição e fez uma provocação, pedindo que eles falassem mais alto. “Se quiserem, embarquem seus filhos nesse avião”, disse.

Em seguida o ministro foi interrompido por parlamentares, que gritaram “Chile”, em alusão ao sistema previdenciário do país. Guedes então retrucou: “O Chile tem US$ 26 mil de renda per capita, quase o dobro do Brasil. Acho que a Venezuela está bem melhor”, provocou Guedes. Parlamentares da oposição criticaram a provocação de Guedes.

A partir daí, o clima esquentou na sala da CCJ. Enquanto os deputados subiam o tom da discussão, o ministro ironizou. “A palavra é dos senhores. Eu não estou ouvindo. Fala mais alto. Falou todo mundo junto eu não consegui ouvir”.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) começou a gritar fora do microfone após ter tido a fala cortada pelo presidente da comissão. Guedes pediu que ele falasse mais alto. “Na hora que o senhor falar, eu vou falar. Fala mais alto”, disse o ministro ao parlamentar

Após muito tumulto, Paulo Guedes disse que errou ao responder as colocações de deputados que eram feitas enquanto ele falava. “Eu cometi um erro sério aqui. Eu tentei responder a uma colocação da deputada Gleisi sobre o custo de transição. Eu quis ser atencioso. Eu tentei responder a ela. E começou todo mundo a perguntar. Eu sou muito respeitoso. Os senhores têm muita familiaridade com esse ambiente. Eu não. Os senhores podem considerar que eu posso cometer erros”, declarou.

Facebook: Comente Aqui