EXPEDIENTE
Segundo o governador João Doria (PSDB), a mudança vai beneficiar cerca de 2 milhões de pessoas no estado

São Paulo reduz intervalo entre doses da Pfizer para 21 dias

Fonte: Por Henrique Andradeda CNN São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (18) que o estado vai reduzir o intervalo entre as duas doses da vacina da Pfizer contra Covid-19 para 21 dias a partir desta terça-feira (19). Até hoje, a segunda dose estava sendo aplicada oito semanas após a primeira.

Segundo Doria, a mudança é válida para a população adulta e vai beneficiar cerca de 2 milhões de pessoas no estado, que poderão completar o esquema vacinal mais rápido. O intervalo de 21 dias é o indicado pela bula do imunizante, segundo informou a Secretaria de Saúde paulista.

Mesmo que a aplicação da primeira dose tenha mais de 21 dias, também será possível tomar a segunda dose antes da data de retorno sinalizada no cartão de vacinação.

Para os adolescentes, a vacinação segue com intervalo de oito semanas. A pasta afirmou que a antecipação para este público será adotada mediante disponibilização de mais doses da Pfizer pelo Ministério da Saúde.

“Distribuímos integralmente a todas as cidades as doses necessárias para concluir a imunização do público adulto e, por isso, pactuamos com o Cosems [Conselho de Secretários Municipais de Saúde] esta redução no prazo para 21 dias”, afirma a coordenadora geral do Plano Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula.

O estado realizou mutirão de vacinação no último sábado (16), já que mais de 4 milhões de pessoas estão com a segunda dose atrasada. Metade destas tomaram a primeira dose da Pfizer.

Pelo menos 83% da população de São Paulo já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra Covid-19, de acordo com dados do governo estadual. Mais de 68 milhões de doses já foram aplicadas em todo o estado.

Com o avanço da vacinação, algumas das medidas de combate à pandemia já foram flexibilizadas. A partir desta segunda, as aulas presenciais nas escolas públicas e privadas do estado passaram a ser obrigatórias, ainda com os protocolos sanitários de proteção em vigor.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!