CONTATO
EXPEDIENTE
Fogo no Pantanal

Salles defende uso de gado para reduzir queimadas no Pantanal

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
Fonte: Por Congresso Em Foco

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu o uso de fogo de maneira preventiva como forma de diminuir os incêndios no Pantanal mato-grossense, afetado por incêndios históricos em 2020. Assim como a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, Salles também defendeu que reconhecer a criação de gado no bioma poderia auxiliar no combate às queimadas.

Ao comentar as ações do governo federal no combate às queimadas, Salles ressaltou por duas vezes que a União é responsável por apenas 6% da área total do bioma, ou 925 mil hectares de uma área que supera os 14 milhões de hectares. O fogo, apesar disso, já afetou 4 milhões de hectares, ou 26% da área total do Pantanal, segundo a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

A senadora propôs ao ministro que, durante um prazo excepcional de quatro anos, as medidas de combate a incêndios no Pantanal fossem tratadas pelo Conselho da Amazônia, comandado pelo vice-presidente Hamilton Mourão. Salles defendeu que o Conselho tem medidas distintas ao que ocorre no Pantanal, mais voltadas ao desenvolvimento humano no norte do país.

Questionado sobre o uso de novas tecnologias para o combate às chamas, o ministro defendeu o uso de retardantes de incêndio – que, segundo especialistas, poderiam inutilizar corpos d’água. “O estado do Mato Grosso começou a utilizar, nós no governo federal já utilizamos, e utilizamos na Chapada dos Veadeiros com sucesso. E é uma questão que precisa ser encarado de frente. Essa visão de que emprego de tecnologia não é salutar é equivocada”, disse.

O titular do meio ambiente no governo Bolsonaro também rebateu críticas do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que chamou a gestão atual de “um desmonte inimaginável”, passível de crime de responsabilidade por ação ou omissão.

“Não há desmonte – nós recebemos este desmonte”, respondeu Salles, que continuou: “O desmonte foi feito antes de nós. Recebemos Ibama e ICMBio com 50% dos seus quadros de pessoal faltando, orçamentos deficitários, e problemas graves de infraestrutura. Em meio a esse caos que o governo herdou de gestões passados, não só de gestão mas econômico, estamos tentando arrumar a casa com os recursos que nós temos.”

Salles fala na manhã desta terça-feira (13) aos senadores membros da Comissão Temporária Externa que acompanha as ações contra as queimadas no Pantanal.

Ricardo Salles – cuja gestão ambiental é criticada por diversos setores da sociedade brasileira e também por atores internacionais – deverá explicar as ações que a pasta tem tomado para combater o fogo – que já queimou um quarto de todo o bioma pantaneiro. O ministro também deve explicar os grandes cortes de orçamento em áreas estratégicas, como o combate a incêndios florestais em áreas de conservação federal.

Dados do INPE atualizados nesta terça-feira pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mostram que o Pantanal teve, desde o início do mês, 2194 focos de incêndio – 154 a mais que ontem. O P`antanal já registrou mais focos de incêndio, esse ano (20.453), que em todo o ano de 2019 (10.025). Já a Amazônia e o Cerrado queimaram, em 11 dias deste mês, mais que todo o mês de outubro do ano passado.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
LEIA TAMBÉM!!!