Papa Francisco admite histórico de abusos de padres e bispos contra freiras

O papa Francisco no avião, encerrando sua visita a Abu Dhabi. LUCA ZENNARO REUTERS

Por DANIEL VERDÚ do El País Brasil*

O Vaticano realiza em duas semanas uma reunião com todos os presidentes das Conferências Episcopais do mundo para tratar do tema dos abusos a menores. Começa a ficar claro, entretanto, que não será suficiente para conter a maior crise dos últimos anos na Igreja. Além de centenas de casos que chegam a Roma, o papa Francisco também tem agora sobre a mesa o problema histórico dos abusos às freiras por parte de padres e bispos. Ainda nesta semana foi lembrado disso por um duro editorial da revista feminina do L’Osservatore Romano, o jornal oficial da Santa Sé, que Francisco lê todas as manhãs. “Não é algo que todos façam, mas há sacerdotes e bispos que fizeram, e ainda fazem”, admitiu no voo de volta de sua viagem aos Emirados Árabes Unidos.

O Papa buscou delimitar o problema – como costuma fazer em geral na questão dos abusos – num contexto histórico existente também fora da Igreja. “O mau trato às mulheres é um problema. Eu diria que a humanidade ainda não há amadureceu. A mulher é de segunda classe”, afirmou. Mas o argumento é complicado de sustentar vindo da máxima autoridade de uma instituição que marginaliza sistematicamente as mulheres, relegando-as aos postos de serviço e impedido sua ascensão a posições de comando na cúria romana. Em nenhum lugar ou constituição está escrito que o Papa não pudesse fazer isso se desejasse, mas não houve neste pontificado nenhuma medida para remediar o fato, como já denunciou a própria diretora do suplemento do L’Osservatore Romano, Lucetta Scaraffia, em um artigo para este jornal.

Nos últimos meses, vieram à luz novos casos em todo o mundo. Inclusive um funcionário da Congregação para a Doutrina da Fé se demitiu na semana passada após ser acusado por uma ex-freira de ter tentado beijá-la durante uma confissão. “Alegra-me que estejamos trabalhando nisto. Alguns sacerdotes foram afastados por isso, e não sei se o processo está terminado, mas também fechar algumas congregações femininas corrompidas por isso [por casos desse tipo]. Eu não posso dizer ‘Na minha casa não acontece’. É verdade. Ainda temos que fazer mais? Sim. Temos a vontade? Sim. Mas é um caminho que vem sendo percorrido faz tempo.”

O tempo, entretanto, começa a ser premente em meio a uma crise que ameaça fortemente este pontificado. Francisco justifica esse “caminho” com o lento, porém frutífero, trabalho – segundo sua opinião – feito por seu predecessor. “Bento XVI teve a coragem de fechar uma ordem feminina que tinha certo nível desta escravidão das mulheres, escravidão também sexual, por parte de sacerdotes, e às vezes dos fundadores, que tiram a liberdade das mulheres. Foi um homem que teve a coragem de fazer muito sobre este tema.”

Sem citar nomes – mas com evidentes semelhanças com o ocorrido numa congregação de freiras francesas –, Francisco contou uma história para ilustrar a resistência que investigações deste tipo frequentemente encontram. “Ratzinger [quando prefeito para a Doutrina da Fé] tinha todos os papéis sobre uma ordem religiosa em que havia corrupção sexual e econômica, mas havia filtros… E o Papa [João Paulo II] organizou uma reunião querendo conhecer a verdade. Ratzinger foi com todos esses papéis, mas quando a reunião acabou, se virou e disse ao seu secretário para que guardasse tudo no arquivo, porque o outro lado havia vencido. Mas não podemos nos escandalizar com isso. É parte de um processo. Mas depois, quando foi Papa, a primeira coisa que fez foi pedir que lhe trouxessem as coisas do arquivo e começou a trabalhar a respeito. O folclore sobre Bento o pinta como uma pessoa muito boazinha. E ele é bom, mas o fazem parecer fraco. E de fraco não tem nada. Sempre foi um homem forte, consequente. Foi ele quem começou com este tema.”

Facebook: Comente Aqui