EXPEDIENTE
Crise na Nigéria

“Nação está pegando fogo”: legisladores nigerianos exigem ação sobre crise de segurança

Fonte: Por Reuters

O presidente nigeriano Muhammadu Buhari fala durante uma entrevista coletiva após uma reunião com seu homólogo sul-africano Cyril Ramaphosa, em Pretória, África do Sul, 3 de outubro de 2019. REUTERS / Siphiwe Sibeko / Foto de arquivo O parlamento da Nigéria pediu à presidência, às forças armadas e à polícia que tratem da crescente crise de segurança do país na terça-feira, com a Câmara dos Deputados pedindo ao presidente Muhammadu Buhari que declare estado de emergência. As resoluções vêm como uma onda de violência e ilegalidade varre a maior economia da África. As forças de segurança, incluindo militares posicionados na maioria dos estados da Nigéria, mostraram pouca habilidade para conter a maré.

“O presidente deve declarar imediatamente o estado de emergência sobre a segurança para acelerar todas as medidas para garantir a restauração da paz no país”, disse uma resolução aprovada pela Câmara dos Deputados. No noroeste, homens armados sequestraram mais de 700 crianças em idade escolar desde dezembro, enquanto militantes pilham comunidades na região. No nordeste, as forças armadas ainda estão lutando em uma guerra de 12 anos com o Boko Haram e o braço do Estado Islâmico na África Ocidental. No domingo, mais de 30 soldados morreram em um ataque, disseram soldados e um residente. “A nação está em chamas”, disse Smart Adeyemi, senador do partido governista de Buhari.

“O presidente deve estar à altura da situação e trazer pessoas para salvar este país ou seremos consumidos. Não podemos ficar quietos por mais tempo.” A câmara alta do Senado pediu “recrutamento massivo” para militares e policiais e aquisição de novos equipamentos para as forças de segurança.

Enquanto isso, o senado também decidiu que sua liderança se reunisse com Buhari para discutir a insegurança e convidar o chefe do exército da Nigéria e outros comandantes e chefes de inteligência para falar sobre o assunto.

Os militares não responderam imediatamente às ligações e mensagens solicitando comentários. Um porta-voz da presidência não quis comentar. No início da terça-feira, o estado de Rivers, no centro produtor de petróleo da Nigéria, disse que proibirá as pessoas de cruzar suas fronteiras à noite devido à insegurança.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!