EXPEDIENTE

Iunes renomeia irmão e secretário investigado pela PF em “novo organograma” da prefeitura

Fonte: Por Erik Silva do Folha MS

Passou a vigorar desde o dia 01 de julho de 2021, um “novo organograma” instituído pelo poder executivo de Corumbá e chancelado pela Câmara Municipal.

De acordo com a publicação, feita no site institucional do município, o prefeito Marcelo Iunes extinguiu a Secretaria Municipal de Relações de Políticas de Governo, a Secretaria Especial de Política Institucional e a Secretaria Especial de Gestão Pública.

Já a Secretaria Municipal de Finanças e Gestão foi desmembrada em Secretaria Municipal de Finanças e Orçamento e Secretaria Municipal de Gestão e Planejamento.

Segundo as informações que constam na matéria, as “transformações” promovidas pelo prefeito Marcelo Iunes, serão em tese, para proporcionar mais agilidade e transparência ao Serviço Público Municipal.

Parte desta mudança passa pela nomeação do irmão do prefeito Eduardo Iunes, servidor público de carreira, à função comissionada de responsável pela pasta de Gestão e Planejamento.

Eduardo Iunes foi alvo de uma ação da Justiça em dezembro de 2020, que determinou ao Prefeito de Corumbá a sua exoneração do cargo comissionado que ocupava como Presidente da Junta Administrativa da Santa Casa de Misericórdia, sob intervenção do município.

Na época, o irmão do prefeito recebia no cargo em comissão, salário de R$ R$ 17.644,30 (Dezessete mil, seiscentos e quarenta e quatro reais com trinta centavos).

Atualmente em novo cargo comissionado nomeado por Iunes, Eduardo passou a receber o montante de R$ 22.278,78 (Vinte e dois mil duzentos e setenta e oito reais com setenta e oito centavos), um aumento de 26% em relação ao cargo anterior, de acordo com os dados do Portal da Transparência referente ao mês de junho de 2021.

Salário do irmão do Prefeito teve aumento de 26% conforme dados do Portal da Transparência em relação ao cargo anterior

Outra alteração que faz parte do que chamou de “novo organograma”, é a nomeação do advogado Edson Panes Oliveira Filho, então secretário especial de Política Institucional, como Assessor Especial de Comunicação.

Panes é apontado pela Polícia Federal como participante ativo no esquema de recebimento de propina pago à servidores da Prefeitura de Corumbá, no esquema denunciado durante a operação Offset desencadeada em outubro de 2020.

O esquema que segundo a Polícia Federal contava também com a participação de outro membro ativo do núcleo familiar de Marcelo Iunes, o irmão, Márcio Iunes, responsável segundo a PF, pelo recolhimento do dinheiro pago como propina.

Irmão de Marcelo Iunes e ex-secretário de segurança pública Edson Panes foram monitorados pela PF em pelo menos 11 viagens a Capital do Estado

Na época, a Polícia Federal apontou que a função de Panes que também exerceu a função de secretário de segurança pública de Corumbá, era de ser uma espécie de “batedor” que supostamente tentava facilitar a passagem por eventuais barreiras policiais na base da ‘carteirada’.

Todas as mudanças já estão em vigor a partir desta quinta-feira, dia 1º de julho.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!