CONTATO
EXPEDIENTE
Privatização da Saúde

Governador vai trair servidores caso privatize Hospital Regional, diz sindicalista

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
Fonte: Por Edivaldo Bitencourt, do O Jacaré

Reinaldo Azambuja (PSDB) vai trair os servidores do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Rosa Pedrossian caso repasse a instituição para a iniciativa privada. Esta é a análise do ex-presidente e atual tesoureiro do Sintss (Sindicato dos Trabalhadores da Seguridade Social), Ricardo Bueno. Ele lembrou que o governador prometeu que jamais repassaria a gestão do segundo maior hospital o Estado para uma organização social.

“O sentimento é de traição do governador Azambuja”, lamentou Bueno, ao ficar sabendo da proposta de terceirizar o HR. A licitação só não foi lançada em decorrência da pandemia da covid-19. A Secretaria Estadual de Saúde confirmou o projeto, mas destacou que foi adiado por tempo indeterminado.

De acordo com o sindicalista, na campanha a governador em 2014 e pela reeleição em 2018, Reinaldo sempre classificou como boato a proposta de pôr uma OS para gerir o Regional. “Ele falava que era conversa fiada”, relembra Bueno.

Durante reunião com os funcionários do HR na Toca da Onça, organização não-governamental fundada pelo presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB), o governador fez a promessa de que iria administrar o hospital e jamais o repassaria à iniciativa privada.

No mesmo encontro, a deputada federal Rose Modesto (PSDB), apresentou-se como “madrinha” da instituição para evitar a terceirização. Aliás, na campanha da tucana para prefeita de Campo Grande em 2016, quando ela disputou o segundo turno com Marquinhos Trad (PSD), Reinaldo chegou a gravar para o programa eleitoral garantindo que jamais colocaria OS para administrar o Hospital Regional.

Para o diretor do Sintss, Reinaldo não está honrando a memória do pai, seu Roberto, porque não deverá cumprir a promessa de campanha. “Ele dizia que não era obrigado a prometer, porque o pai ensinou que quando fazia promessa, tinha que cumprir”, lamentou Bueno.

O sindicalista ressaltou o papel do HR como referência no combate à covid-19. Após a recusa de outros hospitais, a instituição acabou se dedicando integralmente ao tratamento dos doentes contaminados pelo coronavírus. “É um absurdo porque o hospital foi o único que acolheu 100% a luta contra a covid-19”, ressaltou.

Considerado joia no programa de privatização da saúde do tucano, o HR poderá garantir faturamento de R$ 1,7 bilhão ao vencedor da licitação. Na prática, o grupo se transforma em um gigante e ganha musculatura para alçar voos maiores em outros estados brasileiros. O favorito para ficar com a gestão do HR é o Instituto Acqua, que comanda o Hospital Regional de Ponta Porã, e é investigado pelo Ministério Público em várias cidades brasileiras.

A terceirização da gestão do HR é apontada como a principal medida estudada por Geraldo Resende, secretário estadual de Saúde, para reduzir o custeio da instituição. Ele considera muito alto o investimento de R$ 30 milhões por mês na unidade inaugurada em 1997. Para o tucano, a saúde é considerada um gasto e não investimento.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
LEIA TAMBÉM!!!