EXPEDIENTE
Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública ajudaram a detalhar a violência contra a mulher no Brasil, mostrando recortes demográficos por raça, idade e filhos.

Feminicídios deixaram mais de 2300 órfãos só em 2021

Fonte: Fantástico

O Fantástico teve acesso com exclusividade a um levantamento que revela o perfil das vítimas de feminicídio no Brasil, um dos países que mais mata mulheres no mundo.

O estudo, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mostra como mulheres de diferentes raças e idades são alvo de crimes de violência de gênero, e a equipe de reportagem contou histórias de famílias que tiveram as vidas marcadas pelo feminicídio.

Segundo o estudo do FBSP, em 2021 o Brasil perdeu mais de mil e trezentas mulheres por crimes de feminicídio.

A média é de mais de 25 casos por semana, ou pelo menos uma mulher morta a cada 8 horas. Outros dados ainda trazem recortes mais específicos deste crime bárbaro:

  • 97,8% das vítimas foram mortas por um companheiro atual, antigo ou outro parente
  • 66,7% das vítimas são mulheres negras
  • Mais de 70% das mulheres mortas tinham entre 18 e 44 anos, ou seja, idade reprodutiva

 

A partir da taxa de fecundidade do país, os pesquisadores chegaram a uma estimativa: o feminicídio deixou cerca de 2.300 órfãos no Brasil, só em 2021.

A diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, acrescenta que o número real pode ser ainda maior:

Esse número possivelmente deve crescer, porque algumas das investigações ainda estão em andamento, especialmente dos casos que aconteceram entre novembro e dezembro. Os inquéritos não foram concluídos e a gente trabalha essa estatística a partir dos boletins de ocorrência produzidos pelas polícias civis. Essa estatística ela vai ser retificada e esse número pode crescer,” explica.

Duas pessoas que estão nessa estatística são os irmãos Gabriel e Igor. Eles são filhos de Regiane Fernandes, mulher que foi morta a tiros em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, em janeiro de 2020. Suetônio o é acusado pelo crime.

Ele e Regiane foram namorados por mais de um ano antes do crime, mas ela terminou o relacionamento, segundo pessoas próximas, por causa de ciúmes excessivos do namorado. Ele não aceitou o término.

Igor conta que soube da morte da mãe pela namorada, com quem dividiu o momento de luto. No entanto, o relacionamento amoroso acabou também em função disso:

Ela teve um papel essencial nesse momento. Minha mãe, inclusive, era apaixonada por ela. Tinha ela como filha. Mas depois disso, não consegui mais me relacionar. Não consegui mais me abrir por completo.

 

Gabriel, por sua vez, resume o sentimento pela perda da mãe:

Você nunca vai ser a mesma pessoa depois do acontecido, você nunca… Às vezes você próprio não se reconhece com você mesmo.

 

Combate ao feminicídio

 

As políticas de combate à violência de gênero têm avançado no Brasil nos últimos anos, mas a assistência aos órfãos destes crimes ainda é limitada.

A advogada Sueli Amoedo, do Projeto Justiceiras, diz que são poucos os recursos para o acompanhamento das crianças e jovens: “Nós não temos núcleos para atendimento desses jovens, dessas crianças que são órfãos do feminicídio. Quem acaba fazendo esse atendimento são centros de referência da mulher em situação de violência, mas o ideal é que essas crianças tenham um espaço para falar da dor,” conta.

No âmbito federal, 11 projetos de lei com propostas para oferecer assistência focada em órfãos de feminicídio tramitam na câmara dos deputados. Um dos objetivos, segundo o texto, é “garantir direitos e assistência integral (…) aos órfãos de feminicídio.”

O Fantástico consultou o Planalto e o Ministério da Cidadania sobre as ações práticas tomadas desde a publicação de um decreto do presidente Jair Bolsonaro, de dezembro de 2021, que instituiu o plano nacional de enfrentamento ao feminicídio, mas o governo não respondeu.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
COMENTE AGORA MESMO!