EXPEDIENTE
Tentativa de golpe por parte de Bolsonaro

Bolsonaro vai para a cadeia se tentar golpe, diz Alessandro Vieira

Fonte: Por Vanessa Lippelt e Júlia Schiaffarino sobre brasil Do Congresso Em Foco

Suplente na Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) diz acreditar que já existem fatos que podem configurar crime por parte direta do presidente Jair Bolsonaro na condução do combate à pandemia do novo coronavírus. Em entrevista ao Congresso em Foco, o parlamentar, porém, diz não acreditar que o relatório da CPI resultará no  impeachment do presidente e afirma que Bolsonaro pode vir a tentar um golpe. Se isso ocorrer, ressalta o senador, o destino do presidente deverá ser a cadeia.

“Ele acredita que o caminho autoritário é melhor.  Bolsonaro realmente mostra um absoluto desapreço pela democracia, pelas instituições e não quer fazer um esforço pela democracia de negociar, dialogar, ouvir a sociedade. Isso aponta para uma postura golpista, então eu acredito que Jair Bolsonaro possivelmente tentaria um golpe”, declara o senador. “A postura dele é muito baseada no seu desejo de permanecer no poder, seja através de uma reeleição ou seja através do golpe. Então tudo que ele faz é focado nisso, não tem uma base mobilizada.”

O senador, entretanto, diz ter certeza que Bolsonaro não teria condições de concluir um golpe de Estado no Brasil. “Tentar é possível sim e acredito que vai gerar um trauma nacional muito grande. Acredito que nossas instituições são robustas o suficiente para suportar esse desafio”, explica o parlamentar. “São poucos crimes que são mais graves que uma tentativa de golpe. A consequência é a cadeia.”

Crime de responsabilidade

Para Alessandro Vieira, a CPI traz à luz a inércia do governo federal ao não  comprar vacinas quando poderia, apostando em teorias conspiratórios e tratamentos sem comprovação científica, além de não ter feito, em nenhum momento, uma grande campanha de esclarecimento da população, o que resultou nos mais de 570 mil mortos pela covid-19 desde o início da pandemia.

“Ao tomar a decisão política, pessoal de não fazer isso – e  isso está demonstrado por vídeos, com postagens, por atos formais do presidente da República e do governo -, Bolsonaro retardou o combate e consequentemente aumentou o número de contaminados e o número de mortos”, diz o senador que afirma ter clareza que o presidente participou do mercado das vacinas e adotou um comportamento criminoso. “Você tem um crime de responsabilidade que parece muito evidente, quando se nega ao cidadão brasileiro o direito essencial à saúde pública.”

A percepção do senador é que a CPI exerceu influência numa mudança de rota do governo na condução do combate ao novo coronavírus à medida que as investigações foram avançando. “O governo reduziu um pouco a desinformação, acelerou a compra e distribuição de vacinas com fornecedores sérios e cancelou todos os aventureiros que estavam ali circulando no Ministério da Saúde. Tivemos um resultado muito positivo nesse sentido.”

Apesar das evidências que já apontam a responsabilidade de Bolsonaro na negligência ao combate da covid-19, Alessandro Vieira acredita que será necessário buscar caminhos alternativos ao impeachment por não ver a possibilidade de o processo ser pautado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), mesmo com pesquisas apontando que 54% dos eleitores apoiam o impeachment, de acordo com o Datafolha.

“Ele [o processo de impeachment] começa através de fatos graves, a irresponsabilidade do presidente e pode, ou não, chegar no impeachment. Você vem com uma série de fatores e um deles é a presença do povo nas ruas questionando, reclamando. Isso progressivamente está acontecendo”, aponta o senador. “Definir como esse cidadão [Arthur Lira] vai se comportar… A gente sabe que é o tipo de político, a corrente política que é o Centrão, que vai se adaptando ao poder. Na hora que o Bolsonaro deixar de ser poder, é possível que ele [Lira] mude o posicionamento.”

Trunfo da CPI

Ao avaliar a condução dos trabalhos da CPI da Covid, seus erros e acertos, o senador Alessandro Vieira aponta a aproximação da sociedade no acompanhamento da comissão é um dos pontos positivos. “Essa CPI, particularmente, chamou muita atenção da população, pela gravidade dos fatos. Esse acompanhamento próximo, ajudou muito a comissão a corrigir rumos, a encontrar informações que eram difíceis”, explica ele.

Um ponto falho apontado por Alessandro Vieira é a falta de qualificação dos senadores e das equipes  no trabalho de fiscalização. Para o senador, é necessário capacitação das equipes. “Após a CPI, vai ser apresentada uma proposta ao presidente Pacheco [Rodrigo Pacheco] para que se crie e treine uma equipe própria do congresso, do Senado para que possa assessorar e garantir que esse trabalho seja mais eficiente, mais transparente.”

Apesar das dificuldades e do número reduzido de pessoas na análise dos documentos juntados pela CPI, o senador espera já ter concluído o relatório no próximo mês. “ Acredito que nós vamos conseguir cumprir os objetivos da CPI antes do prazo final. O prazo final é início de novembro. A expectativa é que dentro do mês de setembro conseguir ter uma conclusão com relatório sólido, respeitado, com informações verdadeiras.”

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!