Ato de apoiadores de Bolsonaro termina em bate-boca na UnB

Por Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil*

 

Um grupo de apoiadores do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), fez uma manifestação ontem (29) na Universidade de Brasília (UnB). Algumas aulas foram canceladas e houve bate-boca entre os manifestantes favoráveis a Bolsonaro e estudantes da universidade, mas, segundo a universidade, não houve confronto.

De acordo com a UnB, no último fim de semana foram registradas pichações e adesivagens de cunho político-eleitoral em um dos prédios da do campus da Asa Norte. Os atos incluíram a destruição de cartazes de uma exposição dos estudantes do curso de graduação em Museologia, intitulada “Se essa rua fosse mina”.

A equipe da Prefeitura do Campus recolheu os adesivos e limpou as pichações e “está fazendo um levantamento das imagens das câmeras de segurança para proceder aos encaminhamentos necessários”, diz em nota Administração Superior da UnB.

A instituição diz que comunicou o Ministério da Educação e pediu o apoio da Secretaria de Segurança Pública do DF e da Polícia Federal, que podem ser acionadas em caso de necessidade. Solicitou também à Advocacia-Geral da União (AGU) que proponha, junto ao Poder Judiciário, medida cautelar preventiva com vistas a garantir a segurança da comunidade da UnB.

Além disso, diz que está acompanhando os posts nas redes sociais e publicações na imprensa sobre potenciais transtornos à rotina da Universidade em razão dos resultados da eleição. “A UnB repudia atos de vandalismo e reitera seu compromisso com a paz e com os valores do Estado democrático de direito, que incluem a liberdade de cátedra e de opinião, com respeito ao próximo e aos direitos humanos. A Universidade continuará com suas atividades acadêmicas e administrativas, em atenção ao cumprimento de sua missão institucional: o ensino, a pesquisa e a extensão”.

Em nota, o Ministério da Educação (MEC), lamentou os casos registrados pela UnB e repudia “qualquer manifestação violenta em prédios públicos vinculados à pasta”.

 

 

Edição: Sabrina Craide
Facebook: Comente Aqui