EXPEDIENTE
Objetivo foi debater ausência de políticas de acolhimento aos imigrantes venezuelanos

Assistência social realizou reunião nesta quarta-feira (01)

Fonte: Assessoria

A Prefeitura Municipal de Ponta Porã, através da Secretaria Municipal de Assistência Social realizou uma reunião na manhã desta quarta-feira, 01/09, para tratar de assunto que tem causado preocupação nas autoridades municipais: os imigrantes venezuelanos nas ruas de Ponta Porã.

 

É muito comum perceber pessoas que fugiram da grave crise social que atravessa a Venezuela, para imigrar para Ponta Porã.

 

A razão, é que até março deste ano, era possível regularizar a entrada no Brasil apenas por aqui e por Foz do Iguaçu. Após a regularização, os imigrantes têm acesso ao mercado de trabalho e acolhimento, por exemplo.

Para a Secretária Municipal de Assistência Social, Vera Lúcia Oliveira, a questão não é só abordar.

 

“Existe todo um cenário, que pode sugerir a presença e atuação de “coyotes” e exploradores na fronteira. Precisamos envolver todas as autoridades para formar um grupo de trabalho onde cada ator participe dentro da sua competência. É preciso acolher, orientar e encaminhar essas pessoas”, destacou.

 

O Comandante do 4.º Batalhão de Polícia Militar, Ozevaldo Santos de Melo, propôs, além da criação do grupo de trabalho, o mapeamento e identificação através de serviços de inteligência, dos imigrantes, para conhecimento e compartilhamento entre as autoridades, dos dados que poderão ser levantados.

 

Marcial Benitez Troche – responsável pelo setor de Imigração Polícia Federal, colocou-se a disposição para colaborar no sentido de regularizar a entrada dos imigrantes e fazer os encaminhamentos pertinentes aos CRAS de Ponta Porã.

Hugo Lopes Garay, representante do Consulado Paraguay em Ponta Porã afirmou ser interessante abordar um tema tão sensível como esse e comprometeu-se a trazer as Autoridades competentes paraguaias nas próximas reuniões.

A representante do Ministério Público, Andrea Resende, responsável pela Vara da Infância e Juventude, comprometeu-se em instaurar um Procedimento Administrativo, para acompanhar os trabalhos do grupo e contribuir com a validação dos procedimentos a serem implementados.

Ao final da reunião, foi elaborada uma ata, que documenta tudo que foi abordado, cria o grupo de trabalho e planeja mais reuniões, onde cada participante ficou com a missão de trazer sugestões dentro da sua área de atuação para enfrentar esse grave problema social.

 

Participaram da reunião: Andrea de S. Resende – Ministério Público ; Erotilde R. De Arruda

– Coordenadora Cras Marambaia ; Cléa Morato – Coordenadora CREAS; Kaled Issa –

Tenente Corpo de Bombeiros Militar de Ponta Porã; Mayara Alvino – Coordenadora Proteção Social Especial; Kelly Guerreiro –

Coordenadora Proteção Social Básica; Andréia do Amaral – Coordenadora do Centro Pop; Ozevaldo Santos de Melo –

Comandante Polícia Militar Ponta Porã/MS; Marilene Escobar de Souza – Conselheira Tutelar; Gustavo Teixeira Chadid –

Consulado do Brasil; Luís César A. Silva – Coordenador Cras Salgado Filho; Antônia Caballero –

Consulada do Paraguay; Hugo Lopes- Consulado Paraguayo, Marcial Benitez Troche –

Imigração Polícia Federal além da Secretária de Assistência Social Vera Lúcia Oliveira.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!