CONTATO
EXPEDIENTE
Grampos contra deputado

Após grampos, deputado quer que PGR investigue Bolsonaro

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
Fonte: Por Marina Oliveira

O deputado federal David Miranda (Psol-RJ) pediu a abertura de inquérito contra Jair Bolsonaro por suposto “ato ilegal e lesivo à ordem democrática” na Procuradoria-Geral da República (PGR). A investida contra o presidente se dá após a divulgação de que, segundo o MP do Rio de Janeiro, comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega entraram em contato com Bolsonaro após sua morte.

“Os novos fatos agravam a definição de que o presidente da República tem estreita relação com grupos milicianos do Rio de Janeiro. São indícios de crimes gravíssimos. Em certa medida, as milícias chegaram ao poder central do país. É obrigação da PGR aprofundar essas investigações e fazer com que o presidente responda por esses crimes”, diz o deputado.

 

 

REP PGR Adriano Nobrega

 

 

No documento enviado à PGR o deputado pede a investigação de Bolsonaro além de outros envolvidos no caso. Caso se confirme sua participação nos telefonemas, pede que sejam tomadas providências nos âmbitos cível, criminal e administrativo. David diz ainda que a investigação exige celeridade “diante da possibilidade de ocultamento e destruição de provas, as medidas necessárias para o acautelamento de todas as provas e indícios que envolvam o caso narrado em tela, nos termos legais, inclusive o acesso e preservação dos documentos”, aponta o documento.

Reportagem de Sérgio Ramalho do The Intercept divulgada neste sábado (24) mostra que após a morte do chefe do “Escritório do Crime”, cúmplices de Adriano fizeram contato com uma pessoa chamada por “Jair”, “HNI (PRESIDENTE)” – em letras maiúsculas – e “cara da casa de vidro”, a quem o Ministério Público do Rio de Janeiro vê indícios de ser o presidente Jair Bolsonaro.

David Miranda diz ainda ser “importantíssimo trazer à baila que, conforme a reportagem revela, além de ser fato que pode facilmente ser confirmado por esta Procuradoria, após as citações, o Ministério Público do Rio de Janeiro pediu que a justiça encerrasse as escutas dos envolvidos nas conversas, apesar de eles seguirem trocando informações sobre as atividades ilegais do Sr. Adriano da Nóbrega. A interrupção reforça a ideia de que trata-se do mesmo Jair que hoje ocupa o Planalto.”

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
LEIA TAMBÉM!!!