EXPEDIENTE
Governo Azambuja articulava pelo retorno das grávidas

A pedido da Fetems, juiz concede liminar para professora gestante continuar no teletrabalho

Fonte: Por Edivaldo Bitencourt Do site O Jacare

O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, concedeu liminar para determinar que as gestantes não vacinadas contra a covid-19 ou tenham recomendação medicação para manterem-se em teletrabalho não retornem à atividade presidencial. O pedido foi feito pela Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul).

 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) tentou evitar a concessão de tutela de urgência a favor das professoras grávidas. O Governo estadual alegou que apenas as mulheres com atestado médico não precisariam retornar ao trabalho.

O advogado Ronaldo Franco alegou que a Lei Federal 14.151/2021 garante à empregada gestante o direito de permanecer afastada das atividades de trabalho presencial sem prejuízo na remuneração enquanto durar a emergência em saúde.

“Temos três situações envolvendo gestantes, quais sejam, aquelas que não foram vacinadas embora pudessem ter sido, aquelas que foram vacinadas e possuem recomendação médica para o isolamento social (e teletrabalho) e aquelas que foram vacinadas e não possuem recomendação médica para o isolamento social (e teletrabalho)”, descreveu o magistrado.

“Nos parece óbvio que o instinto de proteção destas gestantes em relação aos seus filhos, mereça um olhar diferenciado, não apenas porque, nestes momentos de incerteza geral sobre efeitos da COVID e de vacinas sobre os bebês que estão para nascer, é natural a preocupação materna, mas também, porque é do interesse social esta proteção das gestantes e que elas tenham condições emocionais de bem desempenhar seu papel de professoras”, pontuou, mostrando-se sensível ao grande dilema feminino do momento.

“Portanto, é fácil perceber que matéria tratada neste feito é de significativa complexidade e de elevada importância, pois envolve não apenas o sentimento de proteção destas mães, mas também os alunos que já foram bastante atingidos pela suspensão das aulas presenciais,” pontuou o juiz.

A concessão da liminar foi contra a vontade da gestão tucana. “O Estado alegou, preliminarmente, a impossibilidade de concessão de medida liminar de natureza satisfativa, tendo em vista que o pedido feito pelo autor em sede liminar esgota o objeto desta ação”, observou.

“No mérito, (o Governo) alegou que a Lei Federal mencionada se aplica aos trabalhadores regidos pela lei trabalhista, ou seja, pela CLT – celetistas, não se aplicando aos trabalhadores cujo vínculo é estatutário”, anotou o magistrado.

A administração estadual garantiu que as servidoras grávidas já foram vacinadas e analisa caso a caso os pedidos de trabalho remoto das mulheres que possuem recomendação médica.

“Tudo ponderado e sem esquecer que estamos num momento de início do processo (é apenas uma liminar), decido que aquelas gestantes que não foram vacinadas embora pudessem ter sido e aquelas que foram vacinadas e possuem recomendação médica para o isolamento social deverão permanecerem em teletrabalho até que se consiga alcançar uma decisão definitiva neste processo. Já as gestantes vacinadas, que tenham cumprido a quarentena de 15 dias após a vacina e que não tenham recomendação médica para o isolamento, deverão retornar ao trabalho presencial conforme o comando do decreto impugnado”, explicou o magistrado.

O Governo pode recorrer da decisão no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

COMPARTILHE AGORA MESMO!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no skype
COMENTE AGORA MESMO!